30 de dezembro de 2015

Operativa para o final do ano

Está a chegar o fim do ano! Altura para fazer um CTRL - ALT - DEL a nós próprios.

Vejamos... Bloquear computador? Não, essa opção para finalizar o ano não! Vamos mudar essa tecla para desbloquear computador! Sim, isso sim, desbloquear, fluir! É o ideal para encerrar capítulos e para nos sentirmos bem connosco: fluir. Não deixar nada bloquear, seja a comunicação, a energia, o movimento!

E a seguir? Terminar sessão. Sim, por vezes é doloroso, mas existem muitas coisas nas nossas vidas que precisam de ser correctamente terminadas e guardadas. Podem ser relações, atitudes, formas de ver as coisas... E é sempre mais fácil permanecer no doloroso conforto da segurança e não mandar embora aquilo que já está velho e que já devia de ter seguido o seu rumo para dar lugar ao novo.

Encerrar sessão? Nem pensar, mais uns aninhos para todos por favor! Com saúde, como se costuma dizer, que o resto...

Nesta altura também é preciso alterar a palavra passe. Quem tem acesso a nós? E quanto de nós deixamos para o outro ver? Às vezes é necessário perceber se as nossas muralhas defensivas estão demasiado elevadas. Não digo para atirarmos as pedras ao chão num acto de revelia! Nada disso! Pedra a pedra, ir baixando a guarda enquanto aprendemos a estar connosco e com os outros ao mesmo tempo e em paz.

É também uma altura de pensar no trabalho, temos de clicar no gestor de tarefas! O que é que andamos a fazer a mais? Ou a menos... Por vezes assumimos mais responsabilidades do que aquelas que podemos aguentar, e depois é como diz o outro, o corpo é que paga! E o corpo, meus caros, é muito inteligente, e dá sempre sinal. Têm ouvido as queixas dele? Ele fala connosco, a sério que fala! E quando fazemos menos do que aquilo que devemos também podemos sofrer com a síndrome de "eu não queria deixar para amanhã mas teve mesmo de ser". E isso pode trazer grandes complicações. Como em tudo, é preciso encontrar um equilíbrio. E esse equilíbrio não é igual todos os dias e também não é o mesmo para todas as pessoas. E ainda bem! É sinal que somos únicos, diferentes, e também, diferentes dentro de nós a cada dia que passa. E não gosta o homem de mudanças e de diferenças... Muito estranho.

Cancelar? Sim, podem sempre cancelar a reflexão do final do ano, afinal de contas é tudo muito simbólico, não é? Eu cá faço o meu CTRL - ALT - DEL no verão. É nessa altura que tomo decisões e dou passos firmes para conquistar os meus objectivos! Afinal de contas, está calor, os dias são grandes, o que poderá correr mal? Mas somos todos diferentes e cada um saberá de si e qual a melhor altura para fazer um reset... Por isso, seja quando for, Bom Ano Novo dentro de vocês!


Texto de Ana Caeiro

28 de dezembro de 2015

Boundaries to the transpersonal: a reply to Peter Schulthess by David Boadella

Boundaries to the transpersonal: a reply to Peter Schulthess

by David Boadella
1 st President, European Association for Body Psychotherapy, 1989-1993
Chairman, Scientific Validation Committee, European Association for Psychotherapy, 1997-2007

Peter Schulthess, the President of the Swiss Charter for Psychotherapy, has written the extensive critique of transpersonal psychology which he sees as transcending the boundaries of the profession of psychotherapy. Within this field he includes all that is “esoteric” or spiritual, although he validates these dimensions for personal development outside of psychotherapy. His critique was published in the Journal of the Swiss Association for Psychotherapists, ASP, “A Jour”, 01.06.2015.

There is much in his critique which I can support, in particular the practices of pseudo-spiritual movements, associated with “gurus” claiming higher powers and leading dogmatic sects which encourage symbiotic dependency and which are counter-therapeutic in their effects. The Austrian Psychotherapy Law, which Schulthess refers to favourably, seeks to protect clients from such extremes.

However there is a danger here of throwing the baby out with the bathwater. There is the risk that many valid practices within psychotherapy, and supported by the Swiss Charta of Psychotherapy itself, may be falsely excluded by over-restrictive judgements. In this article I seek to agree with some of Peter Schulthess’ critique, but to defend those practices that may be seen as transpersonal yet which are firmly anchored within the mainstreams of psychotherapy.

1. Jungian psychology: Carl Jung was one of the founders of Transpersonal Psychology and he defined the higher Self as the “God within us”. Should Jungian therapy no longer be recognised by the Swiss Charta and the Swiss State? The answer is clearly in favour of Jung continuing to be recognised.

2. Music: Peter Schulthess underlines the value of music in personal and cultural life, yet questions whether “music therapy” can be part of psychotherapy, even though it is an accredited method within the Swiss Charta.

3. Breathing techniques: Peter Schulthess rightly criticises the holotropic breath therapy of Stanislav Grof, which I also see as counter-therapeutic for many reasons, one of which is the risk of several negative side effects from the hyper-ventilation which his methods induce. However it would be a great mistake to look on modified breathing in itself as “transpersonal” since this has been a fundamental part of bodypsychotherapy ever since the time of Pierre Janet until today, and has proved to be immensely helpful in leading to heightened body awareness and in rebalancing disturbed emotions.

4. Meditation: The word means “finding the middle”, or learning to centre oneself. It is true that many meditation methods were developed in religious movements. I agree with Peter Schulthess that to teach religious beliefs to clients is to transcend the boundaries of psychotherapy. However, learning to centre oneself and find balance between extremes is certainly a fundamental aim within psychotherapy. Marsha Linehan, the founder of dialectical behavioural psychotherapy has emphasised the central importance of meditation in helping borderline clients. Jon Kabat-Zinn has produced extensive support for the value of “mindfulness” within his form of mindful based stress-reduction (MBSR). Other methods like ACT (acceptance and commitment training, and MSC (mindful self compassion) have been validated by many scientific research studies.

5. Pre- and perinatal psychology: Peter Schulthess is critical of mystical viewpoints on life before conception, for which there is no objective evidence. However the field of pre- and perinatal psychology has a long history, going back to Pierre Janet and Otto Rank. There has been research for many decades on how experiences within the womb can shape personality. Memories which are pre-conscious may nevertheless remain, and can appear, as body memories.

6. Near death experiences: These are not part of psychotherapy, even though Jung’s personal near death experience had a profound influence on his Analytical Psychology. However, many clients will spontaneously share experiences related to near death, or on the other hand to the actual death of a beloved person. In my view it is important that the therapist remains open to the transpersonal experiences of the client that may naturally arise at such times.

7. Reincarnation: Some clients will present with apparent memories of “past lives”. These may often serve as symbolic landscapes for representing traumatic experiences from this life which have not yet been faced. I agree with Peter Schulthess in his view that deliberate induction of such experiences does not belong within the normal boundaries of psychotherapy. Nevertheless ways of bringing the client back into his actual life most certainly do. I call this “returning to this life” (”Rückführung in dieses Leben”).

8. False memories: Peter Schulthess warns of the dangers that the psychotherapist might identify with apparent memories of the client which may turn out to be false. This can often happen when strong emotions from traumatic abuse in childhood are attributed wrongly to an innocent person. There can also be true memories that are wrongly believed to be false. Freud gave up his original trauma theory because it became socially unacceptable at that time to believe that parents can abuse children. He replaced his trauma theory with the Oedipus theory: children project their fantasies of incest onto their parents. Since the therapist is not a detective he needs to remain open to both possibilities in any individual case.

9. Esoteric: Peter Schulthess defines the word “esoteric” as meaning “inwardly”. He uses the term as a category for all those practices and beliefs which in his view transcend the boundaries of psychotherapy. He uses the word “exoteric”, meaning “outwardly”, in contrast, to mean objective and scientifically verifiable methods and principles.

I wish that life could be so simple. In reality psychotherapy is both an art and a science. The word “psychotherapy” means literally the cure or care of the psyche. In my opinion, the psychotherapist cannot cure the client of his neurosis. What he can do is to provide the care from outside which makes the cure from inside possible. In this sense the care is external and the cure is internal. This goes back to the roots of attachment theory, which is fundamental to many forms of psychotherapy. John Bowlby emphasised the importance of the secure relationship as the foundation for healing. Donald Winnicott called this the “holding environment”.

Winnicott distinguished between the “false self”, which was induced by negative conditioning, and the “true self” which was authentic. This true self was linked with an inner trust in one’s own qualities and values. The “true self” has much in common with what spiritual traditions call the “soul”.

The care from the outer holding environment, which is exoteric, or outward, encourages the cure of traumatic stress or neurotic conditioning, through the regaining of contact with this true self, which is esoteric only in the primary meaning of inward.

10. The false leader: Peter Schulthess rightly criticises the power of the self-declared guru in pseudo-spiritual sects on the “psycho-market”, who knows what is best for his followers and leads them into new forms of imposed conditioning from which it may be very difficult to become free. In 1990 I was invited to the House of Lords in Westminster, London, to give testimony about these processes, in a conference on “Cults and Sects”.

Instead of depending symbiotically on such a false leader in a cult or sect, each person needs to find ways to develop their own inner “guru” or inner teacher: listening to the voice of the true self within.

11. Diagnosis: However, there is a similar risk, within any psychotherapy method that the therapist knows best what is right for the client. He fits the client too easily into his diagnostic manual, and chooses the appropriate remedy. He may also offer the client interpretations which he thinks are right but which are actually wrong. He can offer interventions which he believes should be helpful but can turn out to be counterproductive. So even the best trained therapist could become, at least some times, a false leader. Part of the art of psychotherapy is to know when to lead and when to follow. The word “diagnosis” means “knowing the difference”. So the client can learn a lot from a good therapist, and the therapist needs to learn a lot from each client about what is similar to others, and what is different. So “dia-gnosis”, is a wisdom that grows between the two of them, therapist and client.

12. Spirituality: To be inspired by inner qualities and values is the essential meaning of the word spiritual. In this sense a person’s own spirituality is part of the self who comes to therapy, either as client or as therapist. Two human beings meet each other in the room. This essential spirituality needs to be clearly distinguished from the pseudo-spirituality described above.

The World Council of Psychotherapy, founded by Alfred Pritz in 1996, in Zürich, established a Working Party on Psychotherapy and Spirituality, where I became the acting Chairman. I wrote a report for this committee on how spirituality, in this essential sense, was a natural part of every major psychotherapy mainstream. This report was published as “Essence and Ground” in the International Journal of Psychotherapy, Vol 3, No 1, 1998. I end with a brief quotation from this article:

“Although Freud recognised the reality of what he called oceanic feelings and longings, his tendency was to view these as a regressive re-experiencing of an original unity with the mother… What Freud did not recognise here is the formative side of the spiritual traditions. In throwing out the bathwater of obsessional compulsion in the exoteric side of religion, he had also thrown out the baby of the essential heart of human spirituality.

This omission was rectified and recognised by Otto Kernberg, the President elect of the International Psychoanalytical Association, in a keynote speech at the World Council for Psychotherapy Congress at Vienna in 1996. In this speech Kernberg reopened the door that psychoanalysis had slammed shut, to the inclusion of spirituality within psychotherapy as a key area of focus and concern, a source of potential healing of wounds, rather than a defensive compulsion to be analysed away.”

Recommendations:

It is important for the ethical principles of psychotherapy to make clear that indoctrination and imposed beliefs about reality are not valid within the therapeutic relationship.

Great care, nevertheless, should be taken in the formulating of psychotherapy laws, whether in Austria or in Switzerland, that power is not exercised in an overgeneralised way, with the risk that valid methods of psychotherapy are confused with pseudo-spirituality that clients need to be protected from.

The Swiss Charta has a long history of democratic decision making and liberal scientific recognition of a wide range of psychotherapy methods, most recently with Peter Schulthess as President. These methods have all now received provisional accreditation by the Swiss State. I hope that the Charta and the ASP will use their influence to keep an open but reasonably bounded Swiss law. Similarly, I trust that the European Association for Psychotherapy EAP, based in Vienna, will use its influence to oppose the harsh over-generalisations of the Austrian psychotherapy law.

Copies sent to:
Peter Schulthess, President, Swiss Charter for Psychotherapy
Dr. Alfred Pritz, General Secretary, European Association for Psychotherapy and President of the World Council for Psychotherapy
Courtenay Young, former President, European Association for Body Psychotherapy and editor of the International Journal of Psychotherapy
Christina Bader-Johansson, President of the Swiss Association for Body Psychotherapy

10 de dezembro de 2015

Do choro ectodérmico ao choro endodérmico

Dizem que chorar lava a alma, mas também dizem que os homens não choram. Diz-se muito daquilo que se sente. Assim que nascemos temos de chorar, para depois aprender a não o fazer. Aprendemos que essa é uma fragilidade que devemos esconder numa gaveta, junto com as lamechices, os corações cor-de-rosa, as festinhas e o “amo-te”.

Tal como tudo aquilo que podemos fazer como seres humanos optimizados que somos, o choro tem uma função, é importante. Da mesma forma que o medo tem uma base funcional importante na nossa vida, o choro é também essencial e não deve ser contido ou controlado. O problema surge quando aprendemos a lidar incorrectamente com esta função que o nosso corpo sabiamente desenvolveu.

Saímos do túnel escuro ontem estivemos mais de 9 meses e todos os seres estranhos e de batas brancas que estão neste espaço tão iluminado ficam aliviados quando choramos. Depois deste momento, o choro é um aviso, uma arma e um problema. Servirá de termómetro: ah este choro, isto é fome. Hum, isto é sono! Lembro-me de estar grávida e ouvir estas palavras sábias: quando o teu filho chorar tu vais saber o que é (parecia uma premonição mágica, eles nascem e desce em nós, mulheres, a enciclopédia ser-mãe-deste-filho-em-particular). É mito. Enquanto algumas pessoas acertam, outras (como eu), vão por tentativa e erro. Muita fralda desnecessária é mudada quando a solução era apenas a de voltar a colocar a chucha na boca do menino.

O choro é uma arma quando o usamos como um meio para chegar a um determinado fim, e já vimos isto a acontecer na mesa ao lado num qualquer restaurante. É um problema porque se limitam as crianças desde bebés a não largarem as suas lágrimas, a não partilharem as suas águas com o mundo. Faz barulho. Não nos deixa dormir. Mostra fragilidade. Entre outras e outras e outras.

Passamos uma vida a não chorar. Contemos. Engolimos as emoções porque não é bonito mostrar. Então elas ficam, com armas e bagagens na nossa barriga que às vezes incha voluptuosamente, deixando antever um mar de sentimentos engasgados.

Quando decidimos olhar para nós, seja em terapia ou em trabalho de desenvolvimento pessoal, temos de olhar para esta nossa barriga. É preciso fazer abdominais emocionais para deixar sair aquilo que já não nos serve e que não conseguimos guardar mais. Mas estes abdominais são mais difíceis que os normais. Mais do que ao corpo, fazem doer a alma. Ou assim parece. É por isso que os primeiros choros da vida adulta são ectodérmicos. Não são conectados, não lavam a alma e deixam-nos zonzos com a respiração que se (re)estabelece e com o chute de energia que sobe à cabeça e aos olhos em particular. Não choramos com a barriga e a descarga é falsa: há apenas a movimentação de alguma tensão de um lado para o outro no corpo. Mas nesta fase podemos continuar desconectados mas há o ressurgimento de uma vontade de olhar de uma forma diferente.


É quando mergulhamos intensamente em nós que navegamos na possibilidade de nadar nas nossas lágrimas: o choro é conectado e vem dessa barriga tão cheia que precisa de extravasar, mas delicadamente, pulsando lágrima a lágrima em cada inspiração e expiração.

Texto de Ana Caeiro

20 de novembro de 2015

Workshop aberto - 9 de Dezembro - Generosidade e Construção de Vínculo

Ao falar de generosidade, não estamos a referir-nos à bondade ou espiritualidade mas sim ao estabelecimento de vínculos. Generosidade é uma virtude, é dividir algo com o outro sem querer nada em troca.
Ela é a despertadora do real valor do eu. Desejo, liberdade, ética, amor e religião são assuntos da generosidade.Ela é formadora das relações entre as pessoas. O mundo neste momento esquece estas virtudes.

Vamos refletir?

Investimento: 5€ Associados/ 10€ Não Associados
Data:  09 de Dezembro das 19h às 21h
Local: CPSB -  Av. 5 de Outubro nº 122, 5º Esq.
            Campo Pequeno - Lisboa
Confirmação obrigatória para: geral@cfpsb.com ou 21 793 53 26


Maria del Mar Cervantes 
Psicóloga Clínica, Psicoterapeuta Somática em Biossintese, Professora Sénior pelo International Institute for Biosynthesis, Directora do CPSB (Centro de Psicoterapia Somática em Biossíntese) e Vice-Presidente da Asociación de Somatoterapia Española.

16 de novembro de 2015

Por detrás da máscara*

Num período de quatro anos estive quatro vezes em tribunal para dar o mesmo testemunho sobre o mesmo caso. A primeira vez que entrei na sala de audiência senti-me intimidado. Não fazia a mínima ideia do que ia acontecer. Ninguém me explicou o que era suposto fazer e todos os que interagiram comigo foram formais e sem qualquer empatia. Senti-me como se estivesse a ser chamado ao gabinete do Diretor no colégio. A segunda e terceira vez, ao contrário do que eu esperava, não foram muito melhores. Conhecer o ambiente, neste caso, não era muito melhor do que não o conhecer. Até que me deparei com a TED Talk da Amy Cuddy: “Your body language shapes who you are”. Quando fui chamado pela quarta vez decidi seguir o seu conselho.

A quarta vez que fui a tribunal decidi experimentar usar a linguagem corporal a meu favor. Fui até à casa-de-banho e imaginei-me um urso. Levantei bem os braços e coloquei um ar feroz. Enquanto esperava no corredor mantive a pose de poder. Quando entrei na sala de audiências não me sentia tão intimidado, sentia-me forte e cheio de coragem para enfrentar aquele espaço hostil. De alguma forma, fui capaz de recuperar a confiança e não me deixar apagar pelo contexto que me rodeava. A forma do meu corpo tinha influenciado o meu conteúdo emocional. Uau!

À medida que crescemos, vamos criando máscaras que utilizamos como se fossem a nossa pele. Estas máscaras compõem a nossa personalidade, sendo formas de nos relacionarmos com o que é exterior a nós. Elas escondem a nossa essência e são não só mentais, como também corporais. Um dos grandes objetivos da terapia é ganhar consciência sobre a máscara, não para a destruir, pois ela teve e tem um propósito funcional, mas para que a possamos tirar e pôr, como máscara que é.

A Amy sugere que finjamos até que nos tornemos (fake it until you become it). Isto é verdadeiramente poderoso, mas fez-me questionar se nesse movimento não estarei a pôr outra máscara e a usá-la até me esquecer dela. Até que ponto é que a minha espontaneidade não está a ser, mais uma vez, condicionada? Provavelmente está.

Assim, gostava de hoje partilhar contigo a experiência que tenho tido na busca do movimento espontâneo do meu corpo. Será possível resgatar esse pulsar autêntico do corpo? Um dos caminhos que me é mais querido e que pretende exatamente criar essa possibilidade de autenticidade, aposta numa pequena máscara vermelha.

A magia do nariz vermelho

Um dia quando tinha treze anos e estava a passar o fim-de-semana em casa de um amigo, fui perseguido por crianças a chamarem-me saloio. Era uma brincadeira inofensiva, mas senti-me tão ridículo que, dessas férias, é a única memória que permanece. O medo do ridículo sempre teve o poder de me restringir o movimento. Era ele que me forçava a estar sempre alerta, garantindo que eu nunca cometia nenhum erro social que me pudesse tornar um alvo a abater. O ridículo garantia que eu nunca largava a máscara de menino perfeito.

Às vezes é necessário vestir uma máscara para poder despir outra. Tive essa oportunidade na forma de um simples nariz vermelho durante uma oficina de clown. Ao longo de várias subidas ao palco, protegido apenas por uma bola vermelha, fui permitindo que o meu palhaço emergisse. O desafio era simples: “Sobe ao palco e não interpretes. Não cries uma personagem, sê simplesmente tu. Exprime o que estiveres a sentir, de uma forma exagerada, tão exagerada que se torne ridículo”.

Eu arrisquei e as pessoas riram-se. Mas não era um riso ameaçador, era um riso genuíno de gosto pela vida. Aos poucos fui sentindo que as minhas crenças, os meus tabus, os meus dramas não eram assim tão pesados e que era possível eu próprio rir-me deles. Aos poucos fui descongelando. A rigidez que me caracterizara ao longo de uma grande parte da vida, desaparecia naquele palco. Ao mesmo tempo, emergia uma sensualidade tímida, um pouco pateta e desajeitada. Emergia o meu lado feminino. E era um lado muito divertido.

A expressão de emoções é uma forma de experienciar a minha essência, aquilo que tenho de autêntico. Outra forma de conectar com essa essência é explorar outra camada, a do movimento corporal.

Quando o corpo faz o que quer

Há um exercício muito interessante que podes experimentar esta noite em casa. Põe a tocar uma música, coloca-te no meio da sala, fecha os olhos e deixa que o teu corpo guie o movimento. O desafio é não decidires como é que te vais mexer. Deixa que sejam os movimentos involuntários da cabeça, dos braços, do tronco, das pernas a iniciar e a continuar o movimento. Podes mesmo imaginar que és uma marioneta e que existem fios invisíveis que te movem. E depois deixa-te fluir. Sem saberes, estarás a meditar.

Eu já fiz este exercício várias vezes com durações de cerca de uma hora. No início estou parado, quase estático, a balançar-me. Então, levado pela música, pequenos movimentos começam a surgir e eu deixo-os crescer. Resisto à tentação de os controlar e coloco-me na posição de observador. O movimento amplia e a expressão do meu corpo torna-se total. Surge então a possibilidade de experienciar emoções que reprimi algures no tempo. Posso, por exemplo, movimentar-me para uma posição fetal, num desejo de me retirar para um espaço de segurança. Posso então reviver um medo que tenho, que não me permito sentir no dia-a-dia. Por detrás desse medo pode estar uma grande tristeza e eu que nunca choro, desfaço-me em lágrimas. Até que a música muda e o meu corpo vai atrás. É sempre uma viagem dentro de mim próprio!

Tal como já tinha referido em “O chão que me suporta” acredito que existe um hiato grande entre o meu conhecimento e a sabedoria do meu corpo. Eu posso não saber que estou triste, mas o corpo sabe. Permitir que seja o corpo a conduzir o movimento, é uma forma de permitir que o inconsciente se revele. Há muita informação emocional que surge e há movimentos interrompidos que se desbloqueiam. Essa experiência de movimento autêntico em vez de criar uma nova máscara, permite-me experimentar o que é não ter máscara.

Se te faz confusão este conceito de deixar o corpo guiar o movimento, repara que isso já acontece. O teu corpo respira sozinho. Tu podes controlar esse movimento, mas também podes simplesmente ser um observador da tua respiração. É igual quando estás a conduzir ou quando estás a correr ou a andar.

Experiências à parte

Tive há pouco tempo uma experiência, durante a qual senti um vislumbre muito claro deste jogo entre a vontade da mente e o movimento involuntário do corpo. Estava a meditar sentado na posição de lótus e comecei a sentir uma forte comichão num tornozelo. Pensei, lá está o sistema simpático a desligar e a fazer das suas. Resiste Rodrigo! A comichão foi aumentando e eu fui fazendo um esforço cada vez maior para me controlar e não me mexer. Os graves da música faziam vibrar o meu corpo e o epicentro era a comichão. No meio desse esforço que se tornou brutal apercebi-me de que a minha mão estava a escapar ao controlo e se estava a deslocar no sentido da comichão. Resiste Rodrigo, pensava eu. Durante uns minutos eu fui capaz de me controlar, até que a mão ganhou e foi coçar a comichão. Nesse momento, descobri que tinha sido picado por um mosquito e por isso é que estava cheio de comichão.

E se voltar ao tribunal

Tanto os exercícios de clown, como os de movimento autêntico, são experiências que me trazem novas referências. Nenhum deles parte da compreensão mental. Um parte da expressão emocional e o outro parte do movimento corporal. Nós temos estas três camadas: pensar, sentir, agir. Para mim dar a mesma importância ao sentir e ao agir é um grande desafio. Esse é o caminho que quero seguir. Integrar as três camadas, não num movimento forçado, mas permitindo que elas fluam de forma natural sem tensão.

Se voltar a tribunal para depor, voltarei certamente a esconder-me na casa de banho a fingir que sou um urso. Talvez depois consiga pensar no que vou dizer e dizê-lo sem me deixar congelar pelo que estou a sentir.

*Texto e fotografia de Rodrigo Dias
http://apulsar.pt

5 de novembro de 2015

O chão que me suporta*


A Sofia tinha quinze meses quando pela primeira vez se levantou, deu um passo, depois outro e ainda um terceiro, sem a ajuda de ninguém. Quando voltou a cair com o rabo almofadado no chão, já o mistério estava desvendado. Voltou a levantar-se, a andar e depois a correr. Quando o irmão e os primos, todos mais velhos que ela, se foram deitar, a Sofia tentava fazer curvas. Estava desperta, excitada com aquele chão debaixo dos seus pés que a impulsionava para o mundo. A insegurança de cair que a acompanhara durante aqueles últimos meses tinha sido superada pela excitação descoberta no andar. Nessa noite dormiu mal. Talvez tivesse vontade de não voltar a tirar os pés do chão. Talvez tivesse medo de se esquecer que já sabia andar. Quem sabe?

Estar de pé. Caminhar. Correr. Saltar. Dançar. Todos estes movimentos são possibilidades que, felizmente, ainda tenho na minha vida. São tão básicos, tão antigos que não me lembro da excitação que também eu terei sentido quando, pela primeira vez, venci a gravidade e me ergui pé ante pé. Talvez tu também não te lembres. Nos últimos anos tenho explorado esta experiência de estar em pé com o olhar curioso da criança que ainda me habita. Essa curiosidade levou-me a redescobrir os vários chãos que sustentaram e sustentam a minha vida. Tem sido uma viagem incrível, que sinto que ainda está a começar. Quero muito partilhar contigo sobre os lugares que tenho conhecido e os sábios com quem tenho conversado. Se tudo correr bem teremos tempo para esta longa conversa. Mas hoje … hoje quero começar pelo princípio.

 

O princípio

Lembras-te dos bonecos sempre em pé? Para eles era tão fácil balouçarem-se e manterem-se de pé. Estavam desenhados para que o seu centro de gravidade estivesse mesmo em cima da sua base. Nós não temos tanta sorte. Quando estamos de pé, o nosso centro de gravidade está mais ou menos a um palmo abaixo do umbigo, distante da nossa base, que é super estreita – os nossos pés. Manter o equilíbrio do corpo enquanto nos movemos implica jogar um jogo praticamente inconsciente de contrações e relaxamento de vários elementos ao mesmo tempo. Só no pé temos mais de cem músculos, tendões e ligamentos.

Uma das formas de compreendermos o nível de complexidade do nosso movimento, é tentarmos reproduzi-lo construindo um robot. Foi exatamente esse o desafio que a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA lançou às organizações de investigação robótica mais avançadas do mundo. A competição aconteceu no início de junho deste ano (2015)1. Vale a pena ver as máquinas mais avançadas do mundo a esforçarem-se brutalmente para fazer aquilo que a Sofia fazia facilmente com dois anos.

Se andar envolve um complicado e maioritariamente desconhecido mecanismo neuromuscular, imagina dançar.

O nosso movimento é um paradoxo. É ao mesmo tempo complexo e simples. Tão complexo que as pessoas mais inteligentes do século XXI não o compreendem completamente. E tão simples que uma criança homo erectus há 2 milhões de anos já o fazia naturalmente. Este hiato entre o nosso conhecimento e a sabedoria do nosso corpo fascina-me. A ti não?

Esta relação que temos com o chão é tão natural e antiga que tem uma íntima relação com a nossa sensação de segurança. Isto é muito concreto e presente, mas para mim era como o oceano para um peixe. Só quando me tiraram de dentro de água e eu me senti sufocar é que percebi que existia água.

 

O que uma hérnia faz a uma pessoa

Durante algum tempo, sempre que eu fazia longas viagens de carro, surgia-me uma dor ao longo da perna direita. Eu não ligava muito à dor. Até porque acabava sempre por passar depois de sair do carro. Até que a mesma dor começou a aparecer sempre que corria. Decidi descobrir o que se passava e foi-me diagnosticada uma pequena hérnia discal entre as vértebras L5 e S1, na zona lombar. Nessa altura eu descobri que a dor que eu sentia a conduzir era dor no nervo ciático. Eu tinha trinta anos e já tinha a famosa ciática!

Ainda hoje não percebo a origem da hérnia. Falam-me de má postura e esforços mal adequados. Só que essa resposta soa mais a uma cortina que esconde a verdadeira origem. Na verdade, mais importante do que descobrir a origem, é descobrir o que fazer com a hérnia. Eu decidi não me submeter a uma cirurgia e essa decisão levou-me a um regresso ao corpo. Reaprendi a estar de pé. Joelhos ligeiramente dobrados, bacia ligeiramente para trás, core ativado. Descobri que tinha um músculo chamado psoas2, responsável por me manter de pé. O tempo que eu demorei a perceber que o músculo não se chamava pessoas, mas sim pssoas! A dor que eu sentia e ainda sinto, funciona como uma âncora a lembrar-me que tenho um corpo para redescobrir e cuidar.

Nesta altura comecei a fazer terapia postural, psicoterapia corporal e fui pela primeira vez a um osteopata. À medida que fui passando mais tempo conectado com o meu corpo e menos tempo refugiado na minha mente, fui ganhando maior confiança em mim. Comecei a ter mais consciência das minhas sensações. Comecei a ser capaz de compreender o que estava a sentir quando certas coisas aconteciam. Foi como se resgatasse uma nova dimensão do meu contacto com a realidade. Foi como se um novo chão se estivesse a criar. Um chão sobre o qual eu podia caminhar com maior consciência.

 

Grounding

Experimentem pesquisar no google por “danças clássicas”3 e depois por “danças africanas”4. Há uma diferença notória. Nas danças clássicas há um movimento para longe do chão, como se nos elevássemos da nossa condição humana. Nas danças africanas há um movimento na direção do chão, um movimento de humildade. Os tambores e o bater dos pés no chão trazem uma experiência muito primária, muito crua. Quando danço ao sabor destes sons sou inundado por uma sensação muito velha em que as minhas emoções perdem toda a sua sofisticação e tornam-se muito brutas, muito presentes. O contacto com o solo torna-se numa fonte de carga energética. As vibrações que nascem dos pés provocam uma excitação geral do meu corpo. Estou a criar uma ligação com o solo e essa ligação permite-me sentir o meu pulsar.

A expressão grounding utilizada pela psicoterapia corporal fala-nos desta relação com os solos da nossa vida. Não é só o chão debaixo dos nossos pés que nos suporta. É a ligação pelo cordão umbilical durante a gestação. É o seio da nossa mãe que nos nutre. É a mão do nosso pai que nos apoia as costas. É a amizade dos nossos amigos. É o olhar dos desconhecidos. Cada um destes solos pode ou não acolher-nos. Cada um destes solos pode ser rico ou pobre em nutrientes. Mas todos eles influenciam a nossa segurança interna – a nossa capacidade de pulsar.

Experiências à parte

Esta experiência do pulsar da vida em mim não acontece apenas quando estou grounded pela música. Uma vez, numa conferência com mais de 100 pessoas, foi-nos pedido que todos juntos construíssemos uma figura humana e que cada um se colocasse na zona do corpo com a qual mais se identificava. Eu inicialmente coloquei-me nas vísceras, mas não me senti adequado. Depois de uns segundos de indecisão, mudei-me para o cérebro. Estranhamente, quando lá cheguei a minha cabeça começou a pulsar. Ela literalmente começou a latejar e eu percebi que estava no sítio certo. Esse pulsar só desapareceu quando desfizemos a figura humana. De alguma forma, o grupo acolheu-me e serviu de suporte para que fosse possível eu entrar em contacto com a sabedoria do pulsar do meu corpo.
Como pai da Sofia, sei que também eu sou um dos solos onde ela está a construir essa capacidade de pulsar que lhe permitirá dançar com a vida. Espero estar à altura do solo onde ela teve a segurança para dar os seus primeiros passos.

1) Robots at the DARPA Robotic Challenge
2) O músculo psoas
3) Pesquisa no google images por danças clássicas
4) Pesquisa no google images por danças africanas


Texto e fotografia de Rodrigo Dias
http://apulsar.pt

6 de julho de 2015

Holding

O Holding é um dos temas da Pós-Graduação em Psicoterapia Corporal em Biossíntese e a sua definição sugere apoio, sustentação e segurança. Quando nascemos precisamos ser vistos, tocados e necessitamos de nos sentir em segurança. A forma como fomos nutridos nesta fase inicial da vida é fundamental e pode trazer respostas para a forma como nos sentimos hoje. Como fui recebido pela minha família? Como fui visto e cuidado?

Os sentidos assumem uma grande importância nesta altura, pois é através deles que o bebé vai percepcionar o mundo. Quando nascemos já trazemos os cinco sentidos desenvolvidos e na audição, embora o bebé possa não perceber o que lhe é dito, a forma e o tom de tudo o que o circunda é muito importante. Ele sabe distinguir entre a voz meiga do cuidador ou uma voz irritada. E vai reagir a isso.

Imaginem então a importância do toque num corpo que passa por uma transição tão grande: estava numa bolha, num mundo aquático e vem para um local onde há luminosidade, roupas, barulhos estridentes. O toque acalma e o contacto da pele, corpo a corpo, é um grande recurso para o bebé aprender a confiar no mundo e a ser nutrido por ele. A visão é também uma forma muito forte de contacto. Dizem que o bebé quando nasce apenas consegue ver cerca de um palmo à frente do seu nariz, que será o suficiente para ver a cara da mãe enquanto se alimenta. O olhar que a mãe vai devolver ao bebé pode estruturá-lo se for um olhar "quente" que traz excitação e é expressão de amor. Se for um olhar frio, pode congelar o organismo e deixar o bebé perdido.

Será preciso ser um pai ou mãe (ou cuidador) suficientemente bom (como Winnicott dizia), para reconhecer, espelhar e ampliar o entusiasmo da criança, permitindo-a explorar o mundo através de uma comunicação aberta entre todos os elementos da família.

Texto de Ana Caeiro

7 de maio de 2015

Apresentação em Barcelona do livro "A arte de amar a três - Eu, tu, nós" por María del Mar Cegarra

No próximo dia 20 de Maio, Maria del Mar Cegarra vai apresentar a sua obra em Barcelona, já editada em Portugal e disponível em qualquer livraria.

Esta obra reflecte a experiência clínica e humana da autora enquanto psicólogo clínica e psicoterapeuta corporal individual e de casal, assim como a sua experiência como mulher.

O livro divide-se em duas partes. A primeira, novelada acompanha o decurso de várias sessões psicoterapêuticas de vários casais com as suas queixas e sofrimentos assim como todo o seu processo e desenvolvimento, incluindo o da própria psicoterapeuta Laura, que os acompanha. A segunda parte é mais clínica e inclui ideias, ferramentas e exercícios importantes que podem ser de grande utilidade para psicoterapeutas, psicólogos, médicos, educadores e estudantes destas áreas assim como qualquer profissional da área de intervenção social.
Trata-se de um livro cujo propósito consiste na ampliação da consciência, a identificação  das armadilhas e sabotagens que dificultam o equilíbrio entre o estar junto e separado assim como o de dar e receber com amor, alma, coração e simplicidade.

"A vida é simples, difícil é ser simples".

É usada uma linguagem menos clínica e mais acessível com o objectivo de fazer passar a mensagem e facilitar a leitura a todos los que não estão familiarizados com esta área.

A autora
Psicóloga clínica e Psicoterapeuta Somática en Biossíntese. International Senior Trainer pelo IIBS International Institute for Biosynthesis na Suíça e Directora do CPSB, Centro de Psicoterapia Somática em Biossíntese para Espanha e Portugal com sede em  Lisboa. É também Presidente de la APPC, Associação Portuguesa de Psicoterapia Corporal.
Desde a sua graduação na universidade como Psicóloga Clínica se dedica por inteiro ao estudo da Psicologia, Psicoterapia e Medicina Natural. O seu interesse por esta área levou-a a estudar Medicina Natural e Energética, Psicodrama, Gestalt, Terapia familiar, PNL, Bioenergética, Naturopatia, Osteopatia e, sem dúvida, Biossíntese, a sua grande inspiração.





9 de abril de 2015

Dinâmicas de grupo em Biossíntese*


O processo terapêutico feito em grupo, ocorre da interacção e da partilha dos membros, das suas vivências focando-se no aqui e agora, como espelho uns dos outros.

O grupo opera como um laboratório onde cada pessoa tem a liberdade de experienciar uma forma diferente de estar e ser, que pode e deve levar para a sua vida fora do grupo.

Num contexto seguro, com  confiança e de forma ética dá a possibilidade a cada um, de aprender a estar consigo e com os outros de uma maneira mais confiante e mais saudável e fazer auto revelações sem medo da crítica e do julgamento. A importância da revelação tem a ver com as suas implicações na natureza dos relacionamentos actuais de quem a faz.

Na psicoterapia somática em Biossíntese também trabalhamos com o corpo, facilitando a auto percepção, o relaxamento, através da respiração, do movimento e da atenção plena.(entre outras técnicas).

Nas sessões de grupo são realizadas estruturas de trabalho que promovem a interação e o contacto com as sensações e as emoções, aumentando a consciência da relação entre a postura corporal e os padrões emocionais e vice-versa.

O grupo terapêutico é um lugar onde os seus membros podem partilhar a sua história, assim como, os seus sonhos e objectivos. 

O grupo possibilita a troca de experiências, opiniões, ideias, permitindo que cada um identifique as suas crenças, os seus rituais, as suas manias e como isso interfere com os seus objectivos e que, identifique também os seus recursos e como utilizá-los.

A psicoterapia de grupo oferece aos seus membros uma oportunidade de aprenderem como funcionam em grupo, o papel que desempenham, as espectativas e as fantasias inconscientes que nutrem a respeito de grupos, a capacidade de identificarem os obstáculos que encontram ao lidar com as outras pessoas,  no trabalho, na família ou noutros grupos.

Na psicoterapia de grupo a pessoa tem múltiplas experiências:

- Como estou comigo mesmo, no grupo
- Como estou com o outro, com cada membro do grupo
- Como estou com o grupo como um todo
- Como estou com o terapeuta ou com cada um dos co-terapeutas

Os efeitos adicionais da psicoterapia de grupo em relação á psicoterapia individual, têm a ver com exploração de múltiplas transferências e o fornecimento de um seting no qual o membro pode arriscar novos comportamentos, diferentes dos que tem no seu dia a  dia, dado que, o grupo funciona como um microcosmo da realidade.

* Trabalho apresentado por Graça Mansos no I Encontro Institucional Ibérico do CPCB em Dezembro 2014


18 de março de 2015

Psicoterapia Corporal sem toque*



Falar de psicoterapia corporal sem toque é para mim falar de atenção e de tomada de consciência.

 
O nosso corpo é um reservatório de memórias e de energia, que nos leva a reagir e a interagir com o exterior tendo a capacidade de expressar ou não, as nossas emoções e sentimentos. É através dos sentidos que se estabelece este contacto entre o que está fora de mim e o que acontece no meu corpo.

Por exemplo quando oiço um som, o meu corpo reage percepcionando se é agradável ou não, se me descontrai ou se prende a minha atenção, se quero ficar parado a ouvir se me trás alguma memória ou se me assusta e fico imóvel tentando identifica-lo, ou o meu corpo reage de outra forma, darmo-nos conta, conscientemente, de como esse som foi identificado pelo meu corpo e que sensação provocou, é trazer ao consciente.

O papel do toque no processo terapêutico permite ampliar as sensações que estão no corpo e de levar a atenção para determinada parte do corpo ou partes do corpo, é um facilitador, ora o processo psicoterapêutico sem toque permite igualmente levar a atenção para o que estiver a acontecer no corpo naquele momento.

O corpo tem uma linguagem própria, com movimentos próprios com ritmo próprio, que traduzem a nossa forma de estar, de sentir, a nossa postura e a nossa defesa, e para poder ter um leitura de tudo o que vai acontecendo no corpo, é necessário estar atento.

Mas não só o que está a acontecer no corpo naquele momento mas também o que está a acontecer com o outro e no que está acontecer em redor, na presença, dupla presença e tripla presença.

Estas posturas são um instrumento base no processo terapêutico sem toque e que vão potenciar e ampliar a ressonância ao longo do processo terapêutico.

Quando eu como terapeuta estou consciente do que acontece comigo e do que acontece com o meu cliente e do que está a acontecer á nossa volta eu tenho mais clareza, posso acolher com mais coração e com mais respeito, pelo outro e por mim, e posso ensinar o meu cliente a estar atento a si próprio também.

Quando falo de estar atento ao que acontece no corpo falo de consciência corporal, que dentro de do processo psicoterapêutico é trazer o sentido de self ao corpo, proporcionar á pessoa estar  centrada, com grounding, com autonomia, sentindo o seu empoderamento, e em contacto com as sensações autênticas e com limites saudáveis para com ele e para com o mundo exterior.

A Consciência corporal é colocar os nossos sentidos que estão atentos e receptivos ao que vem do exterior e volta-los para dentro para as sensações que emergem do interior.

Para isso temos técnicas como a Meditação o Mindfullness, exercícios de Respiração, Mantras, que nos impelem para um contacto com o nosso ritmo interno, no fundo contacto com a alma, com a nossa verdade, partindo de uma postura de acolhimento e de não julgamento.

É um verdadeiro trabalho de ressonância, vinculo, centramento e grounding.


*Trabalho apresentado por Sandra Veiga - I Encontro Institucional Ibérico do CPCB  em  13 Dezembro 2014

Bibliografia

Young, C. “To touch or not to touch: That is the Question: Doing effective Boby Psycotherapy without touch” 2006.

Young, C. “The process of Re-embodiment” in Energy & Character: International Journal of Biosynthesis: Vol.37, May 2009, PP 36-46.

Boadella, D. Correntes da Vida – uma introdução á Biossintese. 3ed summus editorial 1992.

Boadella, D. Inspiração e Corporificação, Energia e Caráter 2, Ed. Summus, 1997.

Boadella, D. Transferência, Interferência e Ressonância, Cadernos de Biodinâmica 3, ed. Summus.