29 de setembro de 2014

Esperar pelo Universo*

Li um texto que começa por perguntar, com trejeitos de impaciência (e nós terapeutas, já ouvimos isto em algum lado, e também já nos questionámos): "porque é que isto não anda mais depressa? Estou farta de esperar!"

Pois bem, o que acontece é que o universo tem um plano melhor. Um que é melhor do que aquele que temos. Seja qual for a nossa referência: Deus, o Universo, a essência, não importa. O que importa é que, de tempos a tempos, nós perdemos perspectiva. Queremos dar ordens ao universo sobre quando e como queremos que as coisas se manifestem nas nossas vidas. Vivemos na era do imediato. E se queremos algo, podemos tê-lo, de forma quase instantânea. Estamos cada vez mais habituados a ter um controlo quase absoluto das nossas vidas, e assim sendo, começámos a acreditar que o universo deveria de trabalhar de acordo com a nossa agenda.

Falta-nos humildade. É necessário plantar as sementes dos nossos desejos num solo fértil e saber esperar pelo universo. É ele que faz a sua magia, mas a seu tempo. Temos de respeitar que provavelmente apenas conseguimos controlar cerca de metade dos nossos planos, por mais que possamos regar essas sementes, o seu brotar depende de muito mais do que a nossa boa vontade. E existem bons motivos para que exista uma parte que não controlamos e que está fora das nossas mãos.

Várias áreas defendem algumas lições espirituais ou ensinamentos pelos quais devemos passar para criar uma consciência mais elevada. Mas estas lições, estas "aulas", não vão acontecer de acordo com o nosso calendário e muito menos quando queremos muito que elas surjam ou até que vão embora. A questão não reside no universo a dar-nos o que nós queremos, quando nós queremos. É sobre o universo a ensinar-nos a ser quem nós somos. A ajudar-nos a recuperar o conhecimento sobre quem nós realmente somos: poderosos, inteiros, abundantes, suficientes... Nós até pensamos que temos inúmeros problemas, mas o único e real problema que temos é a forma como estamos desconectados da nossa fonte, da nossa essência. Ocasionalmente, o universo irá chamar-nos a atenção, e não da melhor forma, embora não seja como um castigo, mas sim para nos mostrar um caminho melhor. Nestes momentos não estamos a ser castigados, mas sim iluminados, e esta é a forma do universo nos ensinar que nós temos tudo aquilo que precisamos. A nossa função é estar disponíveis, abertos e pacientes. E saber que as respostas para as nossas questões podem não surgir da forma convencional que esperávamos. Temos de confiar que a vida se está a desenrolar a um ritmo que vai de encontro ao nosso melhor e maior desenvolvimento.

Podemos controlar aquilo que é possível e deixar o resto para o universo. Se a vida não se desenrolar como e quando queremos, o melhor é sorrir. O universo estará a trabalhar para nos mostrar um caminho melhor. Assim sendo, enquanto esperamos, o melhor será viver com gratidão, paciência e humildade. Podemos sempre repetir para nós próprios: eu acredito que me será dado tudo aquilo que eu preciso e por caminhos que eu não consigo imaginar.

*Artigo de opinião

Texto original: http://www.mindbodygreen.com/0-10348/be-where-you-are-not-where-you-think-you-should-be.html