11 de março de 2014

Interferência

David Boadella define em 1980 aquilo que entende por interferência. Para ele, quando as necessidades emocionais de uma criança se deparam com uma expressão emocional contraditória por parte da sua mãe ou do seu pai, temos um padrão de interferência. Por oposição, um crescimento saudável, não neurótico, será um padrão de ressonância entre ambas as partes, ou seja, um vínculo entre duas pessoas. E será esta ressonância saudável que permitirá à criança crescer num fluxo vital, sem interferências. O autor refere inclusive que os padrões de interferência são efectivamente os bloqueios e distorções no vínculo.

De acordo com o autor, também a transferência e a contra-transferência são padrões de interferência no sentido em que algo está a acontecer entre o terapeuta e o seu paciente. Existe então um padrão ou campo a distorcer o contacto. Se este contacto é distorcido pelo cliente, então temos uma situação de transferência. Caso o contacto seja distorcido pelo terapeuta, então temos a contra-transferência.

Na essência da transferência, essa distorção vai reflectir a história dos padrões de interferência, ou seja, o mesmo padrão interferente é projectado no novo relacionamento e é finalmente distorcido.  A diferença na terapia reside no facto de que o padrão de interferência, em si, se torna no foco da consciência e, se o terapeuta trabalhar essa transferência, poderá usar a interferência para conhecer a sua origem.  terapeuta, ao conhecer aquilo que interfere em si, está a trabalhar na sua contra-transferência, procurando transpô-la. Se o tema reside na interferência do seu paciente, então verifica-se a possibilidade de transpor a transferência, e a partir daqui é possível caminhar em direcção à ressonância.

Para Boadella, a complexidade aumenta quando no contacto entre o paciente e o terapeuta ocorrem ambas, e aqui vamos ter padrões de ressonância a combater com padrões de ressonância. A ressonância tenta se libertar das interferências. O autor sugere que é como tentar sintonizar um rádio se estiver mal sintonizado vamos ouvir partes que queremos ouvir e outras que não queremos ouvir. E para nos livrarmos das interferências, será necessário sintonizar o rádio até ouvirmos um sinal claro.

Imagem http://www.saojudas.org.br/radio.html
Elaborado com base no texto 'Transferência, ressonância e interferência', de David Boadella, disponível no seguinte livro
  • Cadernos de Psicologia Biodinâmica 1993, Summus Editorial, São Paulo