19 de março de 2013

A culpa é do tempo




Tantas vezes culpamos o tempo que faz para exprimir aquilo que sentimos. Será a forma como nos sentimos culpa da chuva ou do tempo mais invernoso? De facto, um dia de sol traduz-se em mais energia. O ânimo é diferente. Quem não ouviu já falar dos números preocupantes de casos de depressão no inverno nos países da Europa do Norte, onde as horas de luz são tão escassas?

Mas será o mau tempo assim tão culpado? Sim, acredito que tenha a sua cota-parte de responsabilidade. Somos seres energéticos. Somos influenciados pela energia à nossa volta e um belo dia de sol e calor pode ajudar-nos a armazenar um pouco mais de energia do que um dia cinzento.

Ainda assim, acredito que a culpa atribuída ao dia cinzento deve ser aligeirada. Considero que pode ser um gatilho para uma baixa energia, mas também considero que é um potencial para estarmos connosco, mais do que estarmos introvertidos. E talvez seja esse o problema dos dias cinzentos: obrigam-nos a olhar para nós. Seja porque ficamos mais silenciosos ou porque ficamos em casa. E não é fácil ficarmos connosco, em silêncio. Não é fácil encontrarmo-nos neste silêncio e falta de luz e olhar para aquilo que somos, ou concluir que não sabemos quem somos. E aí pode residir uma enorme dor.

E como estamos rodeados de símbolos, é também importante perceber o que significa um dia cinzento para nós. O que simboliza a chuva, a água, as poças que se formam? O que transmite um mar revolto ou um arco-íris? Para cada um de nós, cada elemento terá um significado diferente e será no encontro entre nós e o simbólico que podemos conhecer mais sobre nós.

Será então o inverno uma longa hibernação que promove uma reflexão íntima sobre nós? Se assim for, a Primavera será a altura de florescer e de nos mostrarmos ao mundo, tal como somos.

Texto de Ana Caeiro
Imagem: http://radialhq.com.au/rain-water-tanks-important-facts.php