12 de fevereiro de 2013

Zangas





Quando se zangava com alguém, Mark Twain, escrevia uma carta expondo tudo o que lhe passava na cabeça. Escrevia, escrevia, escrevia. Deitava a sua fúria para o papel. De seguida fechava a carta e deixava-a em cima da lareira. Passados 3 dias relia a carta para decidir se devia de a enviar. Mas vendo que tinha sido exagerado, queimava-a na lareira. Se bem me lembro do que li, acho que nunca chegou a enviar nenhuma destas cartas.


De facto, reagir a quente ou esperar um pouco para tomar uma atitude de uma forma mais tranquila e centrada é completamente diferente. O problema é controlar o ímpeto de reagir no momento. O exercício de Mark Twain pode bem ser uma boa solução para quem se considere impetuoso. Mas de facto não é fácil pois existe uma força que sentimos e que nos mina, e que se transforma numa urgência de deitar tudo cá para fora. No calor do momento as consequências não importam e a força com que as coisas são ditas pode parecer curador. E poderá ser curador, por vezes. No entanto, direccionar a nossa raiva ao outro e colocar em risco as nossas relações pode ter consequências graves. Portanto, antes de falar, porque não experimentar escrever?

Texto e foto por Ana Caeiro