3 de dezembro de 2012

O pós-trauma




Num momento posterior a uma situação traumática, o indivíduo que demonstra ter medo da carga, tem afinal medo da posterior descarga e também da catarse associada a esse movimento. Normalmente, a pessoa permanece em colapso, com sentimentos negativos e com uma falta de esperança em ter ajuda.

Numa situação terapêutica é muito importante não retraumatizar o paciente. E isto pode acontecer de várias formas. A título de dois exemplos extremos, se por um lado podemos dar demasiado “colo” quando o cliente não está preparado, fazendo com que ele se feche, por outro, não nos podemos distanciar demasiado para não ocorrer o risco de abandono.

Em relação à experiência somática, é importante também referir que o terapeuta não pode ficar só no trauma, pois biologicamente, o organismo traumatizado quer ir para o futuro. O ego, pelo contrário, tem medo de mudar e ver coisas novas pelo que insiste na manutenção do trauma. Transformar será então incorporar o passado na experiência presente, pois ele fará sempre parte da pessoa.

Imagem: http://profjabiorritmo.blogspot.pt/2011/03/resiliencia-como-mente-supera-as.html