3 de abril de 2012

Se quer ir longe, vá acompanhado



Muito se fala da terapia e do processo terapêutico, e principalmente de como os processos são individuais e únicos. O terapeuta poderá ser o maestro, mas o paciente terá sempre de suportar toda a sua orquestra e decidir o ritmo da sua música.  

Mas terão de ser estas passagens, momentos solitários na vida? Existe uma frase ímpar: “Se quer ir depressa, vá sozinho. Se quer ir longe, vá acompanhado”. O processo terapêutico ou até mesmo o processo de vida, é um caminho, um percurso que todos nós fazemos com a nossa passada. Será que de facto, acompanhados vamos mais longe?

Pensamos que sim. Seja com o terapeuta ao lado, a família ou os amigos. E ir depressa nem sempre é sinónimo de ir longe, a probabilidade de tropeçar aumenta! O percurso da vida poderá de facto levar-nos mais longe quando nos deixamos acompanhar, permitindo a presença do outro. Mas não nos esqueçamos de aproveitar a viagem… E a companhia!

Texto de Ana Caeiro
Imagem: http://cores-solidarias.blogs.sapo.pt/16671.html