13 de fevereiro de 2012

O que é a pessoa?


O que é a pessoa? A palavra é herdada do grego “persona”. A “persona” era uma máscara usada nos teatros gregos que escondia a face dos actores. A sua face não podia ser vista e a persona era reconhecida pela sua voz, o seu som: per sona.

Para a biossíntese, e aqui com uma clara influência de W. Reich, a pessoa pode ser vista a partir de 3 níveis de profundidade existencial. Na sua superfície encontramos a máscara, que é uma “armadura” de protecção do carácter e que foi formada por ser necessário criar uma defesa às ameaças à integridade do indivíduo na sua infância, ou até mesmo antes. Quando estas defesas se reduzem, é possível encontrar uma segunda camada onde estão sentimentos dolorosos como a raiva, a ansiedade e o desespero. Se conseguirmos ultrapassar esta camada, encontramos a camada seguinte que é formada por sentimentos centrais de bem-estar, amor e auto-confiança. A frustração presente nesta camada é que gera a segunda camada, cheia de angústia que, por sua vez, ao reprimir estes sentimentos, cria a máscara.

Estas defesas permitem classificar as pessoas de acordo com os seus padrões de defesa. É claro que a resistência encontrada por um individuo que pretende sobreviver a um momento fracturante, deve ser respeitada e as suas qualidades, valorizadas.

A unicidade de uma pessoa está presente e enraizada em todo o seu corpo. As qualidades da sua vida pessoal reflectem-se em qualidade do tónus muscular, expressões faciais, ritmo respiratório e na organização dos estímulos. De acordo com David Boadella, o terapeuta vê pessoas cujos corpos foram condicionados pelas imagens restritas que elas formaram a partir das exigências do meio em que se inserem. Ver claramente uma pessoa é vê-la para além das condições impostas pela couraça muscular.


Elaborado com base no texto “O que é a Biossíntese”, de David Boadella
Imagem: http://mascaraelt.blogspot.com/p/mascara-neutra.html